Presidente do Peru defende Guerrero e tentará anular suspensão

Atacante teve gancho por doping ampliado para 14 meses e está fora da Copa do Mundo da Rússia

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, saiu em defesa do atacante Guerrero nesta quarta-feira e afirmou em entrevista coletiva que iniciará um "procedimento para anular o laudo arbitral". Também revelou que a embaixada do país na Suíça dará todo suporte necessário ao jogador.

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), que tem sede em Lausanne, na Suíça, determinou na segunda-feira punição de 14 meses ao Guerrero após ter sido flagrado no doping. Com essa decisão, que não cabe recurso, o atleta desfalcará a seleção peruana na Copa do Mundo da Rússia.

Guerrero visitou na terça-feira o presidente Vizcarra, que demonstrou solidariedade a uma punição que ele considerou injusta. "Este laudo (da CAS) sanciona uma suposta negligência com uma pena totalmente desproporcional de 14 meses, quando a primeira sentença (suspensão de seis meses) já havia sido cumprida", declarou Vizcarra.

A estratégia de defesa é entrar com uma ação cautelar alegando que a sentença da CAS não cumpriu o devido processo. Na sequência, caso obtenham sucesso, os advogados entrarão com um processo pedindo a anulação.

Nesta quarta-feira, a Federação Peruana de Futebol (FPF) anunciou a lista de 24 nomes pré-convocados para a Copa do Mundo. O técnico Ricardo Gareca terá até o dia 4 de junho para definir um corte desta relação e definir o elenco final de 23 jogadores que representarão o país na Rússia.

Como era de se esperar, a convocação não contou com o nome de Paolo Guerrero. O centroavante chegou a atacar a federação peruana por supostamente não ajudá-lo o suficiente ao longo do julgamento.

Antes de sua primeira Copa desde 1982, o Peru realiza três amistosos preparatórios. No dia 29 de maio, recebe a Escócia em Lima. Depois, pega a Arábia Saudita, dia 3 de junho, na Suíça, e a Suécia, seis dias mais tarde, na casa do adversário. A seleção estreia no Mundial, pelo Grupo C, dia 16 de junho, contra a Dinamarca, em Saransk. Nesta chave, ainda estão França e Austrália.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário