Ídolos do vôlei citam referência e revolução de Bebeto

Tande, Maurício e Marcelo Negrão ainda lembraram a luta do dirigente contra a corrupção no esporte

A morte de Bebeto de Freitas deixou o mundo do voleibol de luto. Os campeões olímpicos Tande, Mauricio e Marcelo Negrão não conseguiram conter a emoção ao falar da importância do técnico da geração de prata para o desenvolvimento do esporte no Brasil em entrevista ao Brasil Urgente.

“É um cara que foi referência. Foi ele que me lançou como titular dentro da seleção, tínhamos três grandes jogadores para duas posições [Tande, Carlão e Giovane]. Ele formou Bernardinho e Zé Roberto”, enumerou Tande.

O ex-jogador ainda lembrou a luta de Bebeto para acabar com tudo de errado no esporte. “Era um dos mentores no movimento contra a corrupção no esporte, ele revolucionou o esporte e o vôlei brasileiro. É uma perda gigantesca e irreparável, ele queria o melhor para os atletas”, completou.

Maurício, levantador na seleção brasileira nas conquistas do ouro em Barcelona-1992 e Atenas-2004, afirmou que toda a geração vitoriosa do vôlei começou com o trabalho de Bebeto.

“É um momento muito difícil, foi o nosso mentor em tudo. Era um cara extraordinário, intenso, tudo começou com ele. Ele foi o grande inventor daquela geração de quando conseguimos a nossa primeira medalha de ouro. Ele me levou para a minha primeira Olimpíada, eu era moleque, ele era técnico e o Bernardinho era o seu auxiliar. Em 1990, no Mundial no Rio de Janeiro, era Bebeto de técnico e Zé Roberto como auxiliar. Ou seja, ele fez escola”, analisou.

Marcelo Negrão é outro grande nome do vôlei que ficou tocado com a morte de Bebeto. O campeão olímpico recebeu a notícia enquanto estava trabalhando. Atualmente, ele trabalha como técnico das categorias juvenis do Sesi-SP.

“Estou perplexo. O Bebeto me lançou como jogador da seleção brasileira quando eu tinha 17 anos, fui campeão olímpico com 19 anos por causa dele. Ele sempre acreditou muito em mim. Sempre agradeci muito pelas oportunidades e ensinamentos”, disse.

“Como técnico, estou colocando em prática todo o ensinamento e os conselhos”, finalizou.

Entenda o caso

Bebeto integrava a nova diretoria do Atlético-MG, da qual se tornou integrante após a eleição do presidente Sérgio Sette Câmara, no final do ano passado. E o ex-treinador se sentiu mal em evento realizado na Cidade do Galo, onde participou do lançamento do time de futebol americano do Atlético-MG, o Galo FA, em evento que ocorreu no fim desta manhã.

Ele passou mal quando apresentava as acomodações da concentração atleticana e recebeu atendimento médico em um dos quartos do prédio do CT atleticano, mas não resistiu e acabou morrendo.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário