Tamanho de fonte

Família Garcia é sinônimo do esporte no Brasil

títulos brasileiros tem Hélio Rubens Garcia em seu curriculo, sendo o maior vencedor da história do Campeonato Nacional Masculino.
Hélio Rubens Garcia comemora título pelo Vasco juntamente com o filho Helinho / Foto: Divulgação/CBB Hélio Rubens Garcia comemora título pelo Vasco juntamente com o filho Helinho Foto: Divulgação/CBB

Que Franca é considerada a ‘Capital do Basquete’ pelos muitos títulos nacionais e internacionais conquistados, e por muitos craques terem sido revelados na cidade, disso ninguém duvida. Mas a família Garcia contribuiu e muito para que a cidade se tornasse uma referência no esporte, motivo pelo qual o "Dia dos Pais" dos Garcia é sempre um motivo a mais para comemorar.

Tudo começou com Francisco Garcia do Nascimento (Cachoeira), que jogou na década de 30. Passou os ensinamentos aos seus filhos, Fransérgio, Toto e Hélio Rubens. E agora o neto Helinho prossegue na carreira com a terceira geração, também jogando na posição de armador.

Isso enche Hélio Rubens Garcia de orgulho, que aprendeu no esporte as várias lições que a vida proporciona. “O esporte é sempre saudável e uma grande escola. Você aprende na prática a se relacionar com as outras pessoas, saber dividir, ter disciplina, responsabilidade, bom relacionamento, responsabilidade, lealdade e obediência”, atesta.

Quando o assunto é Helinho, seu filho, Hélio Rubens demonstra toda a sua admiração. “Hoje ele tem destaque. É muito autêntico, esforçado nos treinos e jogos, tanto é que conseguiu vários títulos e chegou à seleção brasileira”, comenta.

Sem exigências

Mas Hélio Rubens deixa claro que o prosseguimento no basquete não foi uma exigência familiar. “Meu filho tem aptidão e é por isso que seguiu na carreira. Nunca foi obrigado a nada. As coisas aconteceram gradativamente”, atesta.

Ele conta que Helinho foi estudar nos Estados Unidos e depois iniciou a carreira jogando no High School. “É lógico que o convívio da família com o esporte aproximou ainda mais”, conta, já que além dele, os tios Fransérgio e Toto sempre deram grande incentivo, além do avô, Cachoeira.

“O basquete ajuda em muito no nosso relacionamento”, constata e dá um exemplo. “Tenho também duas filhas que nem moram mais em Franca. Com o Helinho é diferente. Até hoje ele reside aqui e está bem perto de mim, já que boa parte do tempo ainda estamos juntos. Trabalhamos no  Uberlândia, Vasco, seleção brasileira e até agora estamos juntos no Franca Basquete. Cria uma afinidade cada vez maior. É um grande parceiro”, comemora.

Hélio Rubens comenta também que dirigir o próprio filho não significa privilégios. “Muito pelo contrário. Na quadra ele é tratado como se fosse outro jogador qualquer. O tratamento é extremamente profissional, independente de qualquer coisa. Se tiver que ganhar bronca ou elogio é da mesma forma. Acho que por isso que há um clima de cumplicidade e respeito de todos”, confirma.

Títulos

Hélio Rubens Garcia iniciou a carreira no Francano Clube dos Bagres e jogou até 1981, se aposentando aos 42 anos, no Franca Basquetebol Clube, para ser técnico. Como jogador, disputou os Mundiais em que a seleção brasileira foi medalha de bronze, no Uruguai (1967); vice-campeã, na Iugoslávia (1970); e bronze novamente, nas Filipinas (1978). Tem a medalha de ouro ganha do Pan-Americano de Cali (1971).

Como técnico da seleção brasileira comandou 96 partidas (64 vitórias e 32 derrotas) em 12 competições oficiais – foi campeão pan-americano nos Jogos de Winnipeg (1999).

Hélio Rubens tem 15 títulos brasileiros no currículo, sendo cinco como jogador e dez como técnico (duas à frente do Vasco, uma com Uberlândia e as demais com Franca), o maior vencedor da história do Campeonato Nacional Masculino.