Torcedor morre baleado após Vasco x Flamengo

Outras três pessoas ficaram feridas durante confusão que tomou conta do São Januário

Terminou em tragédia a confusão que tomou conta do São Januário após a derrota do Vasco para o Flamengo nesse sábado.

Um torcedor de 27 anos foi morto com um tiro no tórax quando estava perto do portão 9 do estádio na Zona Norte do Rio de Janeiro. Essa é a entrada da torcida vascaína no São Januário.

A vítima baleada chegou a ser levada ao Hospital Souza Aguiar, na região central da capital fluminense, mas deu entrada já sem vida. A identidade do torcedor não foi confirmada pela Polícia Militar.

Outros dois torcedores foram baleados nas pernas e foram liberados depois de atendidos no Souza Aguiar. Uma quarta vítima foi ferida por estilhaços de vidro e também já foi liberada pela equipe do hospital.

Briga e depredação

Logo após o fim da partida, que terminou em 1 a 0 para o Flamengo, estourou a confusão no estádio: torcedores vascaínos tentaram invadir o campo, houve depredação e briga nas arquibancadas.

A Polícia Militar precisou proteger os dois times no meio do gramado e só depois de 20 minutos eles foram para os vestiários.

Para tentar controlar a situação, policiais lançaram gás de pimenta, mas a briga já havia fugido ao controle no lado de fora do estádio. Houve muita correria, crianças chorando e torcedores desesperados com as cenas do confronto.

Indireta para Eurico

Após a partida, e antes de a notícia da morte do torcedor ser divulgada, o Flamengo emitiu uma nota oficial em seu site lamentando o ocorrido:

"O Clube de Regatas do Flamengo lamenta a situação a que foram expostos nossos profissionais, colegas da imprensa e torcedores após o término da partida contra o Vasco e repudia todo e qualquer ato de violência dentro e fora dos estádios".

O Flamengo comentou ainda que espera que todas as medidas cabíveis sejam tomadas após a tragédia.

"O Flamengo entrou em campo e venceu na bola. Agora, espera que todas as providências sejam tomadas para que um episódio desastroso como o de hoje [sábado] não se repita e que os marginais responsáveis sejam punidos."

Por fim, sem citar diretamente nenhum nome, embora em aparente referência a Eurico Miranda, o clube carioca criticou "alguns dirigentes" que contribuem para o clima turbulento nos estádios. "O futebol tem sido vítima constante da impunidade e da falta de sensibilidade de alguns dirigentes, que estimulam o ódio."

Torcida única

O presidente do Vasco, Eurico Miranda, pediu desculpas durante coletiva realizada depois da partida:

"Eu preciso, como presidente do Vasco, pedir desculpas. O que aconteceu aqui não é Vasco. Isto aqui não é Vasco. Estou apresentando o meu pedido de desculpas em nome do Vasco. O que aconteceu aqui não tem nenhuma justificativa", afirmou Eurico.

Além do pedido de desculpas, o dirigente alegou que chegou a pedir torcida única para o duelo. "Preciso deixar uma coisa bem clara. Nós tomamos todas as providências para que o jogo pudesse ocorrer sem nenhum incidente. Não sei se mudaria algo, mas sugeri que o jogo fosse com torcida única, e a PM não quis atender esse pedido."

Eurico também insinuou que a confusão pode ter sido motivada por motivos políticos. "Isto exige algumas explicações e até uma reflexão maior. Fizemos um esforço muito grande em recuperar São Januário, que é um estádio histórico. Encontramos ele totalmente degradado e o recuperamos", descreveu.

"Não estou dando explicação, estou querendo dizer claramente que algumas coisas contribuíram para que isto viesse a acontecer. É algo que me parece - tenho certeza - que estava preparado. A primeira derrota que tivemos aqui, contra o Corinthians, já houve uma tentativa. Uma série de fatores contribuíram", acrescentou.

Ainda assim, apesar da tentativa de politizar a tragédia, o presidente do Vasco reforçou o pedido de desculpas. "Vou reiterar. Esse é um pedido formal de desculpas, não aos vândalos que fizeram isso, mas a imensa torcida do Vasco. E também aos outros torcedores."

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário