Zico: não era o momento do Flamengo cobrar R$ 10 por transmissão

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o Galinho disse que entende as necessidades do clube, mas discorda da cobrança no meio de uma crise causada pela pandemia de coronavírus

Ídolo do Flamengo, Zico discorda da cobrança do Flamengo pela transmissão da semifinal da Taça Rio, contra o Volta Redonda. O clube exibiu por meio de seu canal no YouTube a partida contra o Boavista, com mais de 10 milhões de visualizações, mas, para o jogo deste domingo, o Fla assinou com a plataforma de plataforma MyCujoo, em que torcedor terá que desembolsar R$ 10 para assistir à partida – sócio-torcedor não paga.

Momento MasterChef Brasil: nova temporada estreia dia 14/07

A medida não foi bem recebida por pelo menos parte da torcida. Em protesto, o muro da sede do Flamengo, na Gávea, zona sul do Rio, amanheceu pichado no último sábado, 4.

O Galinho diz que compreende a necessidade do clube, que tem uma folha salarial de mais de R$ 20 milhões, mas acredita que a cobrança em meio à crise causada pela pandemia de coronavírus foi um erro.

“Não era o momento de cobrar os R$ 10, com as pessoas em casa, com dificuldades financeiras, mesmo sendo um jogo semifinal, é uma coisa que não mudaria a história do Flamengo se não cobrasse”, declarou Zico em entrevista a Milton Neves e Guilherme Cimatti, na Rádio Bandeirantes, neste domingo, 5.

Ouça:

Zico elogiou a transmissão pelo YouTube e tratou a edição da medida provisória 984, que dá ao clube mandante a prerrogativa de comercializar os direitos de exibição dos jogos.

“Flamengo fez um projeto espetacular. É a ‘carta de alforria’ para os clubes essa medida provisória, acho importantíssimo. Achei que o sucesso foi tão grande no jogo de quarta-feira [contra o Boavista] que o Flamengo não deveria ter se preocupado [com a cobrança]”, afirmou.

“O clube tinha que arcar com isso, dar a oportunidade e explicar antes, não depois da cobrança”, completou Zico, sobre a necessidade de arrecadar recursos para cobrir os altos custos do plantel.

O craque rubro-negro evitou firmar posição sobre a volta do futebol, mas criticou a falta de acerto entre a prefeitura do Rio de Janeiro e a Federação de Futebol carioca. “Faltou um pouquinho de acordo entre a prefeitura e a federação, para não ter tido a interrupção [entre o primeiro jogo do Flamengo e o restante da rodada]. Faltou liderança”, analisou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário